sexta-feira, 4 de agosto de 2017

A voz dos ventos

A voz dos ventos




Quando eu te encontrar...
saberás que as águas lavaram as pedras 
e trouxeram nas gotas de chuva
toda vontade do renascer...

Quando eu te encontrar
sentirá que seus pés percorreram distâncias
te guiaram do nascer à juventude
e na maturidade de tua sabedoria
perceberás que o solo sagrado te guiou...  

Quando eu te encontrar
sentirás o vento soprar suas memórias
e trazer toda verdade dos caminhos 
mostrará suas lembranças e revelará seu destino...

Quanto eu te encontrar...
o fogo do Sagrado arderá em seu peito
o mesmo fogo que queimou na escuridão
e foi tocha acessa em seu coração...

Quando eu te encontrar
no éter divino de tua presença
saberás o porque de toda jornada...
saberás a razão de cada descoberta
entenderás o porque de cada história vivida...

Quando eu te encontrar...
saberás por onde meus caminhos te guiaram...
e verás que muitas vezes estivemos bem perto
de realizar aquilo pelo qual existimos.

Tu trazerás em teu ser a força de todas as direções
E encontrarás em mim a chama que acende a luz em todos os quadrantes...
Saberás a que viemos... 
e seguiremos na luz da imensidão...

Que nas águas te purifiques
Que na Terra permeie teu caminhar...
Que ao vento te inspires...
E que o fogo sagrado recrie...
A luz divina que é nosso reino...

Luz de minhas direções... céu em meu centro...
que os anjos te guiem e te inspirem neste despertar...
Em amor...




Elena - 04/08/2017 12:00 hrs.



quarta-feira, 2 de agosto de 2017

O chamado do amor





Chame pelo amor no silêncio de seus pensamentos,
Na serenidade de seu coração...

No respirar calmo e profundo
Na mais plena paz...
Chame pelo amor em silêncio
Não alardeie para que nada interfira...
O lugar sagrado do amor é nos templos internos
No seu templo, no seu centro, no seu coração...
Chame pelo amor em silêncio...
Ninguém ouvirá além de quem ao teu amor pertence...
Nada irá afastar-te desta comunhão...
Mas caminhes... siga com seus propósitos...
Pois somente quando alcançares a tua bonança
Serás alcançado por aquele coração que é
a sintonia perfeita e plena dentro de ti...
Chame pelo amor na mais pura sintonia do Servir...
E assim é.
Graças a Deus...

Para os irmãos e irmãs em Cristo.
Elena - 02/08/2017 - as 11:50hrs.

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Nas Brumas das Pontes

 

Em cada estrada há um novo caminho...
que leva a uma longa jornada...
onde muito se percorreu à busca do destino.
Ao transcorrer das duas pontes uma nova morada se fez
E nos descaminhos de outrora se perderam em brumas
Eis que a saudade vem...
e as brumas da noite turvam a visão.
Saudade, quem és tu que leva parte da alma à escuridão?
Saudade do que não teve...
Saudade do que deixou...
Saudade no não viver?
Eis as duas pontes... do coração...

Ali nos descaminhos, na saudade do que não foi
a alma se inquieta pelo porvir.
Teremos então a verdade na vontade de existir?
Qual será o contraponto que não permite
que as sombras da noite alimentem o torpor?
Onde pensas que vais sem ver?
Apenas em fé poderá remover o véu.
Apenas em amor irás transpor as duas pontes...
Apenas em Paz conseguirá ver além das águas...
e então acalmarás teu coração...
ao contemplar a pedra que é hoje o teu Destino.

Entre as brumas das duas pontes
que norteiam o caminho
Tu podes escolher a noite por onde irás caminhar...
Que seja então desvelado a ti a nova jornada...
E onde contemplas a escuridão...
aos teus pés percebas 
no lago azul...
das lágrimas que vertem de teu rosto...
A luz cintilante do brilho das estrelas... 
que te guiam o caminho
e norteiam tua jornada...
o brilho das estrelas que vem acima de ti...
a iluminar-te, e guiar-te...
entre as brumas do coração.

Torna-te o caminho...
torna-te a luz...
faz em ti a descoberta
do diamante do teu coração...

por: Elena Públio


13/08/2016 - foto: Marco Central - Cidade Sagrada de Barra do Garças - MT

.

Sons da Natureza


As folhas volteiam ao vento
que sopra em brisa quente
um pássaro canta, distante,
em solitude, ao nascer do sol
Pequena andorinha, que voa no céu azul
Segue o vento que sopra de norte a sul...

Na bahia de areias brancas
Ilhotas ressurgem no raso do rio
fazendo desenhos que lembram
a antiga morada.
O agito do porto recomeça
mas a maioria já se foi...
deixando suas marcas por onde passaram.

Á margem crianças brincam
no sol quente da manhã
Porto solitário do alvorecer
onde muitos buscam na quietude
o reencontro com o Eu
Parecem buscar o que não sabem existir
Há uma interrogação em cada olhar...
e um silêncio em respeito cúmplice
a cada quietude, a cada refletir.

Os que vem e os que vão
cada qual contempla a beleza
com seu próprio olhar
Cada qual sente a vibração
em harmonia com o som das águas
no porto dos reencontros,
no porto onde tudo começou
e recomeça a ressoar em cada coração...

Foto: Águas do Araguaia - Rio das Garças
por: Elena Públio - 13/08/2016 Porto do Baé.

O Silêncio do Porto



A borboleta amarela mistura-se
no frenesee das folhas...
buscando o néctar da flor...
onde o verão nunca cessa,
onde a primavera resplandesce a cada dia.

Numa noite um galho seco
numa manhã árvore florida...
que tinge no horizonte azul
as suas cores de cálido rosa
à furtacor...

Ali o sabiá fez seu ninho
e baila de galho em galho
com seu canto harmonioso, belo, singelo...
Rosa branca, laranja, magenta...

As flores da primavera moldam
a velha arena renovada...
Onde dantes guerreiros tilintavam espadas
hoje apenas cantam, em seu grito
as insurgências do coração.

Vem, aos que ali habitam
alegrar e distrair...
com suas velhas canções...
sem contudo deixar de existir
em sua alma guerreira,
que a cada amanhecer contempla
o mesmo velho porto...
das mesmas velhas emoções...
 em sua busca incessante, 
e na espera, 
por aqueles que clamam o reencontro
com seus valentes corações...

Elena Públio -  13/08/2016 Porto do Baé - Barra do Garças - MT